Tuesday, February 19, 2008

viva teddy cruz



já está virando rotina o trabalho de Teddy Cruz aparecer no New York Times.


hoje Nicolai Ouroussoff se derrete de elogios sobre o ultimo projeto de Teddy, uma série de casas no vale do rio Hudson, contratados por uma ONG que está tentando lutar contra a gentrificação.


nas palavras de Ouroussoff, “o projeto de Mr. Cruz não necessariamente se destaca em termos formais, mas seu melhor resultado tem menos a ver com estética e muito mais com a criação de um antídoto contra o arcaico modelo “cidadezinha americana” adotado por tantos incorporadores. Ao contrário, Teddy Cruz propõe uma complexa costura entre ricos e pobres, antigo e novo, público e privado, um tecido em que cada parte proclama uma identidade distinta”. (tradução minha).

e também trata de uma questão que eu penso ser o cerne do sucesso de Teddy Cruz, o fato de trabalhar sempre juntamente com o poder público e a propor mudanças na legislação, tratando a arquitetura como política, como questão pública que é.

por mim, fico muito feliz de ver que Teddy, nascido na Guatemala, é hoje indiscutivelmente um dos mais criativos arquitetos em atividade nos EUA, e começa a colher os frutos de décadas de trabalho na fronteira entre Tijuana (sua inspiração maior) e San Diego (que ele chama de o maior condomínio fechado do mundo).


vale a pena ver o slide show.


parabéns Teddy.

1 comment:

Ricardo Rossin said...

Já é dificil mudar a arquitetura em relação as pessoas, imagina então mudar as pessoas em relação a ela. Se J. Neves, criador do maior condomínio de luxo de Sao Paulo e péssimo administrador de museu, tivesse pensando em algo ao menos parecido com isso para o "Parque Cidade Jardim", não haveria uma briga para tirar as pessoas da favela que nem estão dentro do terreno do empreendimento. Gentrificação total. Segundo os empreendedores, "não é a vista que seus clientes gostariam de ter"...triste!