Wednesday, November 9, 2011

rankings?

eu não costumo acreditar muito em rankings mas se eles dizem todo ano que a Escola de Arquitetura da Universidade do Texas é uma das melhores (número 2 este ano) dos EUA, alguma coisa certa a gente faz. Cheers!

Monday, October 31, 2011

Saturday, October 15, 2011

Rochelle Martin, 1936 - 2011




no dia do professor este blog homenageia Rochelle Martin. Rochelle foi acima de tudo uma entusiasmada professora. Sua maior alegria era ter uma conversa de alto nivel sobre teoria da arquitetura. Como dedicada que era, Rochelle Martin deu aulas ate uma semana antes de morrer na semana passada, aos 75 anos, com uma energia de fazer inveja aos colegas 35 anos mais novos como este que aqui escreve.

saudades,

F.

Tuesday, October 4, 2011

breve ensaio de futurologia

no início do ano quando foi inaugurado o Centro Niemeyer em Avilés, comentei com um colega que dada a situação da Espanha aquilo ia fechar antes do genial velhinho partir pra próxima. Imaginava claro que Niemeyer irá viver até os 110, 115, mas quis a sorte que o tal centro fosse fechado após 6 meses apenas.


custou 44 milhões de Euros (120 milhões de reais) para ser usado por 25 semanas!


a notícia me anima e navegar por outros exercícios de futurologia então apertem os cintos porque a partir de agora estamos entrando no território da ficção, por mais familiar que tudo se pareça.

começando pelos Niemeyers recentes da minha cidade natal:


o Centro Administrativo do Estado de Minas Gerais foi demolido hoje, 23 de abril de 2017, pela justiça. Desgastado de tanto bater em professoras o PSDB local se desintegrou, metade foi pro PSD do Kassab apoiar Lula em 2018 e a outra metade voltou pro DEM (agora rebatizado UDN) de onde nunca tinha mesmo saído. O governo do estado foi outra vez rifado na campanha federal de 2014 e as alterosas elegeram o governador Quintão com Jô Moraes de vice. O acordo dos dois, repetido exaustivamente durante a campanha foi de que o estado ia privatizar tudo pra pagar o piso salarial dos professores. Quintão ainda tentou se safar do piso salarial mas a vice governadora é brava e mandou pagar os 1000 reais do piso, não confundir com o salário do servente de pedreiro que ganha 1000 reais por casa 10 m2 de piso assentado. Acontece que ninguém quis comprar aquele elefante branco do Centro Administrativo, com pé direito de 2,65m e fachadas ao nascente e ao poente. Sem compradores, o prédio abandonado foi interditado pela justiça e finalmente demolido, um dia depois de o governador e o bispo darem mais uma medalha ao arquiteto pelos seus 110 anos.


o bispo ainda pensou em comprar o Centro Administrativo e transformá-lo em um enorme asilo. Isso salvaria tanto o edifício quanto a catedral construída do outro lado da estrada. Quando faltou dinheiro o bispo mandou terminar a catedral de qualquer jeito e por pouco não temos outra tragédia como a da Gameleira. Mas sendo a forma uma cúpula achatada sem janelas (ou qualquer outra forma de ventilação) as lajes resistiram quando os tratores arrancaram as estacas. Quem não resistiu foram os fieis que dada a idade media de 72 anos começaram a desmaiar um atrás do outro quando a temperatura interior chegava aos 43 graus. A princípio o bispo pensou que eram de êxtase os desmaios mas o resultado foi uma igreja cada vez mais vazia. A solução foi vender o discão (apelido da catedral sem a torre esdrúxula) para Cruzeiro e o Atlético fazerem ali o clássico mais tradicional da segundona.


esqueci de dizer que o Mineirão foi privatizado logo depois da copa e agora só serve como centro de eventos, micaretas e bênçãos milagrosas, sua infra-estrutura gigantesca absolutamente inviável para a pobreza do futebol mineiro.

Monday, September 26, 2011

NYTimes de crítico novo

Michael Kimmelman estreiou ontem como crítico de arquitetura do New York Times. E já mostrou que é bastante diferente do anterior, Nicolai Ourosoff. De quebra no seu primeiro texto ele afirma que está interessado na interação entre os edifícios e as pessoas, e não apenas em quem os desenhou. Vale ler seu primeiro texto aqui.

Tuesday, September 20, 2011

ideias soltas na websfera

passeando ao léu pela internet não é que eu encontrei um texto meu do qual eu nem sabia que tinha sido publicado aqui.

Sunday, September 11, 2011

10 years after

10 years after 9/11/01, do we think of archietcture differently?

much probably not, according to the Financial Times,

yes indeed, according to Lebbeus Wood

Wednesday, September 7, 2011

Monolito de Inhotim




Lançada esta semana a Monolito número 4 sobre Inhotim, com textos de minha autoria e ainda Fernando Serapião (editor) e Guilherme Wisnik. Boa companhia, arquitetura melhor ainda. Vai lá ler.

Launched this week Monolito # 4 about Inhotim, the best contemporary art collection in Latin America. Texts by me, Fernando Serapião (editor) e Guilherme Wisnik. Good company, even better architecture. Go read, its bilingual.


Sunday, July 31, 2011

Friday, July 22, 2011

palestra em SP dia 3 de agosto


convidando as todos os amigos paulistas.....

Friday, June 24, 2011

depois do São João

é hora de trabalhar e discutir arquitetura contemporânea,

segunda-feira dia 27 em João Pessoa, as 15hs, mesa redonda na UFPB,

terça dia 28 em Salvador, palestra as 16hs na UFBA

Monday, June 13, 2011

Arq Contemporânea: mesa na UFPB 27/6

Arquitetura Contemporânea: mesa redonda com Sonia Marques, Luis Amorim e Renato Anelli,

coordenação de Nelci Tinem,

João Pessoa, 27/6

Tuesday, May 24, 2011

mudancas climaticas em formato grafico

Na semana passada mais uma centena de pessoas morreram no Alabama por causa de tempestades e furacões. A combinação de aquecimento global com trailers (a casa mais barata nos EUA) é mortal. Hoje o New York Times publicou um grafico com todos os furacões desde os anos 50. É impressionante o aumento no número de furacões desde o início dos anos 90, quando a quantidade de carbono na atmosfera começou a causar um efeito cascata de derretimento das calotas polares. Veja aqui

Friday, March 25, 2011

triste Detroit

todo mundo sabe que Detroit é uma cidade decadente mas a escala da destruição naquela que ainda é a cidade sede da Ford e da GM é de assustar. Na última década a cidade perdeu 25% da população e agora voltou a níveis da década de 1910, exatamente um século atrás

minha reflexão a respeito está aqui

Tuesday, March 15, 2011

a crueza do óleo

publicado semana passada, minhas preocupações sobre o futuro do Brasil banhado em petróleo, aqui

Thursday, February 24, 2011

Monday, February 7, 2011

leitura das leis - por Edésio Fernandes

Reproduzo aqui um oportuno artigo do jurista e urbanista Edésio Fernandes, publicado hoje no Estado de Minas - Opinião

No país onde todos se referem a tudo o que é bom como “legal”, não causa surpresa a notícia de que uma das principais respostas das autoridades federais aos trágicos acontecimentos resultantes das chuvas é a de propor a aprovação de uma nova lei federal. Trata-se de mais um capítulo na tradição legalista do país, no qual quase todos apostam no poder messiânico de transformação das leis, sem compreender criticamente como, diretamente ou por falta de aplicação das leis progressistas, a ordem jurídica elitista e burocrática – longe de resolver problemas e conflitos – tem historicamente criado muitos dos problemas sociais e processos de ilegalidade urbana.

Embora certamente existam áreas de risco onde condições intrínsecas de diversas ordens fazem com que essas áreas sejam totalmente incompatíveis com a ocupação humana, o fato é que talvez na maioria das situações existe um equilíbrio possível entre preservação ambiental e ocupação humana, sendo que os problemas causados pelas fortes chuvas e outros desastres naturais têm com frequência mais a ver com a falta de “gestão do risco”. Terremotos de alto grau no Chile, Japão ou São Francisco certamente causam danos materiais, mas um número bem menor de mortes do que terremotos em menor escala na Turquia ou na China. A diferença é resultado da qualidade das políticas de gestão do risco entre esses países. A maioria das mortes resultantes das tsunamis no Chile e no Sudeste Asiático teve a ver em grande medida com a falta de/falha dos sistemas de alarme. Já as mortes causadas pelas enchentes no Sul da França em 2010 parecem ter sido devidas à ocupação, facilitada pelas práticas de clientelismo político, de áreas inundáveis notoriamente inadequadas para qualquer tipo de presença humana. Esse equilíbrio entre preservação e ocupação tem sempre que levar em conta as possibilidades e custos da utilização de novas tecnologias: face ao processo de aquecimento global, mais do que nunca, Veneza, a cidade impossível que não teria nunca existido se dependesse dos planejadores urbanos e ambientalistas, enfrenta o desafio renovado, enquanto novas construções costeiras na Holanda terão que utilizar tecnologias de ponta que permitam sua “flutuação” no caso de elevação do volume da água do mar.

No caso brasileiro, há certamente diversas áreas de risco, mas há seguramente um problema muito maior de falta de gestão do risco, o que faz com que em muitos casos não exista um equilíbrio adequado entre preservação ambiental e ocupação humana, penalizando especialmente os mais pobres, mais vulneráveis que são aos desastres naturais. Em muitas áreas de ocupação consolidada, não há sistemas de drenagem e escoamento de águas pluviais, estratégias de permeabilização do solo e plantio sistemático de árvores; não há políticas de saneamento, coleta de lixo ou mesmo limpeza regular de bueiros; não há construção ou manutenção de muros de arrimo e outras obras de contenção de encostas e rios; não há controle das construções, especialmente das fundações e da qualidade construtiva; não há sistemas de prevenção de desastres, nem sistemas de alerta como meras sirenes ou alto-falantes que podem salvar vidas. E por aí vai...

Pelo contrário, o padrão precário de ocupação urbana e a falta de presença do poder público têm mesmo transformado áreas sem maiores problemas ambientais intrínsecos em verdadeiras áreas de risco – basta ver os danos e as mortes regularmente causadas pelas enchentes no Centro de São Paulo, ou como bairros inteiros na periferia de São Paulo ficam alagados por meses sem por isso provocarem (como deveriam) uma comoção social. A legislação brasileira urbanística e ambiental em vigor certamente merece ser aprimorada, contudo, deve ser dito que não é por falta de leis que todos esses problemas têm acontecido, mas, pela falta de leitura rigorosa das leis em vigor, e, sobretudo pela falta de sua aplicação efetiva. Mesmo para a responsabilização civil, administrativa e criminal dos agentes públicos e privados, o Código Civil e as leis urbanísticas e ambientais já dispõem de um arsenal de instrumentos: não vai ser uma nova lei federal que vai significativamente mudar esse quadro.

Se não for mesmo possível distinguir situações consolidadas de situações futuras, e se de todo preservação ambiental e ocupação humana não forem compatíveis em algumas áreas, que os critérios jurídicos sejam os mesmos para todos: os dados indicam que 70% das encostas do Rio de Janeiro não são ocupadas por pobres, ainda que a densidade da ocupação dos assentamentos informais seja muito maior. O mesmo vale paras as faixas costeiras. Se de todo a remoção de ocupantes das áreas afetadas for inevitável em casos extremos, que seja feita de maneira articulada com alternativas negociadas e aceitáveis de moradia, como já manda a lei em vigor. Há riscos, mas há, sobretudo gestão dos riscos. Mais do que mais legislação apressada, precisamos é de uma boa leitura das leis existentes, e de muito mais ação político-institucional para que sejam aplicadas.

Tuesday, January 18, 2011

a tragédia e algumas questões que não queremos responder




na semana passada eu estava do outro lado do mundo enquanto o céu desabava na região serrana do Rio de Janeiro, trazendo morro abaixo uma infinidade de água e lama e levando de volta pra cima centenas de almas. Mas obviamente esta explicação fatalista e quasi-religiosa não me satisfaz. Como entrar numa sala de aula ou sentar-se diante de um cliente e não pensar nas consequencias de cada talude mal drenado, de cada quintal impermeabilizado, de cada entulho jogado no lote do fundo que no próximo verão vai descer com a chuva para entupir as bocas-de-lobo, entupir de tragédia as páginas dos jornais, entupir de números as estatísticas e entupir de dor a vida dos que ficaram pra trás.


saturado pela discussão superficial e sensacionalista da mídia você neste parágrafo está pensando que este é mais um texto eco-chato sobre o modelo de ocupação das encostas, a política habitacional ou a incompetência do poder público.


nada disto. Como eu acabei de voltar de Cingapura, gasto hoje este espaço para refletir sobre os limites entre o poder de intervenção do estado e os direitos individuais.


uma das coisas que mais me assustou em Cingapura foram arquitetos e sociólogos, todos professores universitários com pós-graduação e experiência internacional, defendendo o modelo de democracia de Cingapura. Para quem não conhece, Cingapura tem partido único, imprensa controlada e um governo que regula e policia absolutamente tudo. Os casos mais famosos são os de chicotadas públicas por cuspir na rua ou multa por não dar descarga nos banheiros públicos. Numa outra conversa assuntos mais mundanos de arquitetura perguntei ao presidente do Instituto de Arquitetos de Cingapura se eles não tinham problemas de dilatação ao usar cerâmicas nas fachadas, caso típico de cidades tropicais como nós bem sabemos. A resposta dele: o código de obras especifica quais cerâmicas e quais argamassas podem ser usadas para cada tipo de edifício dependendo do tipo de estrutura, altura e exposição solar.


agora que nome damos a este tipo de relação público - privado? Capitalismo super-regulado? Fascismo pragmático? Exagero de zelo pelo bem comum? Mega big brother? Cingapura recebe tanta chuva quanto Manaus, 70% mais do que a media do sudeste brasileiro e o nível de planejamento é tanto que os arquitetos não estão nem um pouco preocupados com mortes decorrentes de enchentes e desabamentos. Estão preocupados em garantir que uma cerâmica 10x10 não despenque do 18o. andar.


a pergunta que andamos evitando no caso da tragédia da região serrana é que tipo relação com o estado nós queremos. Estamos dispostos a apoiar um estado que remova milhares de pessoas das regiões de risco e cobre impostos suficientes para prover infra-estrutura para estes mesmos milhares? Ou preferimos um estado que apenas policie e deixe para o mercado oferecer habitação de qualidade. Neste caso, estamos dispostos a pagar um salário mínimo de R$ 1500.00 que garanta a todos a possibilidade de pagar R$ 600.00 de prestação ou aluguel? Estamos dispostos a apoiar um estado (ou um CREA ou um CAU) que efetivamente fiscalize os afastamentos, áreas totais e taxas de permeabilidade?


nós que trabalhamos todo dia com a aprovação de edifícios e loteamentos estamos dispostos a defender as leis que os regulam diante dos clientes que perguntam se dá pra aprovar assim ou assado? Estamos dispostos a ir lá com a policia explicar os riscos da ocupação e exercer a interdição se necessário? Como, se não damos conta nem de explicar na reunião de condomínio que a varanda o pilotis não podem ser fechados com blindex.


o exemplo de Cingapura me parece sim extremo e autoritário, mas o nosso modelo de jeitinho para os amigos e leis para os inimigos está falido, enterrado debaixo de toneladas de lama em Ilha Grande, Angra, Teresópolis, Friburgo e onde mais chover. Estaremos dispostos a assumir responsabilidade coletiva por um modelo de espaço construído que não implique riscos de destruição em massa.

Saturday, January 8, 2011

uma década de bons horizontes





lá se vão 10 anos. Em 2000 eu fiz um workshop com os alunos da PUC-Minas procurando maneiras alternativas de se pensar e desenhar o espaço público. A idéia era termos workshops de “aquecimento” todo ano, em agosto em Minas e em janeiro em Michigan, aproveitando que as ferias de uns coincidiam com o início do semestre do outro.


viramos o milênio e nenhum professor da PUC se interessou em vir a Michigan mas cinco bravos alunos enfrentaram a neve para participar do segundo workshop em Detroit. Luciana Thomaz, Pedro Doyle, Gabriel Veloso, Marcelo Palhares e Luiz Felipe de Farias enfrentaram temperaturas de 10 graus negativos (e também se divertiram na neve) para redesenhar a praça central da Lawrence Tech University, diante de um edifício novo projetado por Charles Gwathmey, o menos famoso dos New York Five.


até ai nada de mais, se não fosse o fato de que Marcelo, Gabriel e Luiz Felipe abriram um escritório: Horizontes, assim que se formaram. Hoje Horizontes é líder em arquitetura pública em Minas Gerais, com vários prêmios e projetos no currículo. Eu, que nas minhas andanças tive a chance de passar várias vezes pelo caminho deles, tenho o maior orgulho de fazer parte desta história.


que venham a próxima década!



Thursday, January 6, 2011

ano novo, conselho novo

minhas boas vindas e uma sugestão de pauta para o CAU

aqui no Arqbacana

Saturday, January 1, 2011

dois pernambucanos




este blog parabeniza hoje estes dois pernambucanos da foto acima.


o de vermelho que todos conhecem acabou de fazer os melhor governo das últimas décadas, tirando milhões da pobreza, fazendo o país crescer e assumindo um papel muito mais importante no cenário mundial.


o outro, de terno, é Angelo Arruda, ex-presidente da Federação Nacional dos Arquitetos. No último dia de mandado (o lobby do CREA era tão forte quanto o de Berlusconi) o presidente Lula assinou a lei 12.378 que cria o CAU - Conselho de Arquitetura e Urbanismo, uma demanda de 70 anos dos arquitetos.


Angelo sabe que a luta está apenas começando, que não basta ter uma entidade própria, é necessário ter um conselho muito melhor que o CREA. Mas o passo é significativo, a valorização da arquitetura e do urbanismo passa pela afirmação dos valores próprios, distintos dos valores da engenharia.


a sensação do dever cumprido de ambos os pernambucanos (guardadas as devidas proporções) serve agora de inspiração e suporte para novos desafios.


Feliz 2011