Friday, June 27, 2008

ainda New York City




Guimaraes Rosa (cujo centenário se comemora hoje como bem lembrou o Marcão)escreveu o seguinte no Grande Sertão: “O senhor vê: existe cachoeira?; e pois? Mas cachoeira é barranco de chão, e água caindo por ele, retombando; o senhor consome essa água, ou desfaz o barranco, sobra cachoeira alguma?”


continuando nossa conversa sobre New York City, vale a pena ver este video da instalação que Olafur Eliasson e o Public Arts Fund acabam de inaugurar naquela cidade.


pois é Rosa, o homem fez não apenas uma mas quatro cachoeiras só com água, sem barranco.


viver é mesmo muito perigoso


4 comments:

Marco Antonio Borges Netto - Marcão - revistacrise@email.com said...
This comment has been removed by the author.
Marco Antonio Borges Netto - Marcão - revistacrise@email.com said...

Vale lembrar que hoje o mineiro de Cordisburgo completaria 100 anos.

Morreu em 1967, 3 dias depois de tomar posse na Academia Brasileira de Letras.

E por falar em Guimarães Rosa, cito o "Projeto Manuelzão" (Manuelzão é um vaqueiro que conhece bem o sertão e foi imortalizado na obra de Rosa) que tem por objetivo promover a revitalização da bacia do Rio das Velhas (http://www.manuelzao.ufmg.br).

Contudo, o Rio das Velhas foi apontado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como o terceiro mais poluído do país, atrás apenas do Tietê, em São Paulo, e do Iguaçu, em Curitiba (PR).

Penso que podemos contribir nesse Projeto.

Abraços.

Fernando L Lara said...

Marcão,

obrigado por me lembrar do centenário do Rosa...

mas sobre o Rio das Velhas, na medida em que a legislação ambiental for sendo aplicada nas industrias e no esgoto domestico (ETAs pra todo lado), vai ficar faltando cuidar da água das chuvas que ao rolar pelas ruas pega tudo quanto é sujeira e leva pro rio que recebe todas as aguas da região metropolitana de Belo Horizonte. Isso acontece hoje nos grandes lagos nos EUA onde 80% da poluição vem da agua de chuva (runoff)!

Marco Antonio Borges Netto - Marcão - revistacrise@email.com said...

É Fernando!

Com o perdão do trocadilho, muita água vai passar debaixo da ponte.

A gestão das águas é um enorme desafio.

Abraços.