Thursday, September 20, 2007

Sobre como comprar um apartamento

Imagine se ao comprar um carro, ao invés de buscar informações sobre o custo de manutenção, o consumo de combustível e o valor de revenda, você olhasse apenas os itens em destaque na propaganda da revista: o estofamento assinado por fulano, a cor da luz do painel e a nova lanterna traseira re-estilizada para o modelo 2008 ficar um pouco diferente do modelo 2007.

Ridículo não?

Agora na hora de comprar um apartamento, um investimento normalmente 10 vezes mais caro que um carro e no qual você vai passar 12 horas por dia e não duas, um numero enorme de pessoas tem deixado que o piso da cozinha, os metais do banheiro e o espaço gourmet do pilotis sejam os fatores mais importantes na hora da escolha.

Se o leitor é um colega arquiteto, provavelmente já sabe de cor e salteado o conteúdo destas linhas.

Mas se você desconfia que na hora de comprar um apartamento os corretores desviam a sua atenção para um monte de bobagens comparáveis com a lanterna traseira re-estilizada, então essa serie pode lhe servir.

Usando da experiência de pesquisa comparando tipologias habitacionais ao redor do mundo (ver Global Apartments Research Group) e da experiência da frustração (quase desespero) de tentar encontrar um apartamento decente em Belo Horizonte (2 vezes por sinal), eu pretendo escrever de vez em quando aqui neste blog sobre algumas das questões que na minha opinião são mais importantes do que os metais do banheiro na hora de comprar um imóvel.

E pra começar conto uma historia verídica acontecida em São Paulo uns 10 anos atrás. Uma reconhecida critica de arquitetura que eu muito admiro foi procurada por um jornal de circulação nacional para escrever uma coluna semanal de arquitetura. Como teste, escreveu uma coluna sobre como comprar um apartamento: como entender a insolação, como verificar o estado da estrutura, como qualificar os revestimentos, como perceber problemas na rede hidráulica e etc... Acontece que o editor do referido jornal disse que ela pra ela escrever mais sobre arquitetura assim tipo obras excepcionais, museus, lojas, vanguarda ...... Mas, respondeu ela, 90% da cidade é feita de edifícios residenciais, metade da vida todo mundo passa dentro de casa, porque não escrever sobre este que é o maior investimento da vida de quase todos nós. O editor então respondeu curto e grosso: 35% do faturamento do jornal vem dos classificados de imóveis e os anunciantes não gostaram nem um pouco do tema daquela coluna piloto.

Pois é, foi lembrando dessa historia que tive a idéia de escrever justamente sobre isso nesse blog que não tem anunciante mesmo. Se servir para duas ou três famílias escolherem um espaço melhor pra se viver já vou dormir feliz.


8 comments:

Alberto said...

Muito bacana seu post. Esse isolamento cultural que a arquitetura sofre é relamente orquestrado. Essa sua estória é muito escalrecedora nesse sentido. Agora só falta contar quem era. RVZ?

No link, um post antigo meu sobre o assunto...com outro enfoque, hehe

Alberto said...

Esqueci de dizer. É o post de 08 de Novembro de 2006 - o link foi para o arquivo de novembro inteiro...

Fernando Luiz Lara said...

deixa o suspense no ar, não digo que é ela nem que não é.
f.

Alberto said...

Ou seja...;)

luciano l. basso said...

sensacional a iniciativa Fernando, mais sensacional ainda que essa séria série de sobre como comprar um apartamento vai ser escrita por ti, que és um pesquisador do tema!

e acho que vai ser muito elucidativo para colegas arquitetos, quem sabe muitos aprendem algo e deixam de fazer tanta coisa ruim nas nossas cidades... deixam de se esconder sob seus cobertores de lã.

ahhh... se não é a rvz te pago uma cerveja! :)

abraço
luciano

Henrique said...

Triste ter cada vez mais certeza desses pequenos fatos que contribuem para o caos de nossas cidades e a falta de conforto naquele que é nosso refúgio maior, nossa casa. Meu apto mesmo em SPaulo. Está orientado a sudoeste. Ou seja, no verão cozinhamos lá dentro, e no inverno congelamos, pois não há sol. Outro dia mesmo eu estava pesquisando apartamentos, e falando com uma corretora pela net perguntei qual era a orientação do edificio. a principio ela não sabia, e depois de um tempo me responde: ah, bate sol no apto. o dia inteiro. Eu insistia por uma resposta mais exata e só então ela foi pesquisar pra me dizer, com um certo trabalho, pois não encontrava no material disponibilizado a ela. Lamentável!

Fernando L Lara said...

luciano, da proxima vez que for a Sao Paulo (maio de 2008, pode anotar) faco questao de tomar esta cerveja. A conta a gente decide no bar.

Fernando L Lara said...

pois eh henrique, se servir para por pressao nos corretores para que tenham a informacao correta ja esta bom demais.